Quais são os melhores segmentos para utilizar influenciadores digitais

Empresas de diferentes áreas já utilizam o marketing de influência como estratégia e comprovam sua eficácia

Trabalhar com influenciadores digitais tem sido a escolha de muitas empresas no mercado mundial. Mas será que o marketing de influência é uma estratégia eficaz para todos os segmentos? É o que vamos descobrir no texto de hoje.

O site Influencer Marketing Hub em parceria com a Viral Nation e a NeoReach realizou uma pesquisa com 800 agências de marketing, marcas e outros profissionais relevantes para determinar a rentabilidade do marketing de influência e criar novos pontos de vista sobre a indústria em 2019.

O relatório comprovou que 92% dos entrevistados acreditam que o marketing com influenciadores tem retorno garantido. O estudo intitulado de The State of Influencer Marketing 2019 comprovou que a estratégia continuou a crescer nos últimos anos.

Em 2016, a indústria movimentou US$ 1,7 bilhões e, em 2017, o valor subiu para US$ 3 bilhões. O ritmo de crescimento se manteve também em 2018. O marketing de influência rendeu US$ 4,6 bilhões e a estimativa é que nos próximos anos, alcance a marca de US$ 6,5 bilhões.

Não é surpresa nenhuma que os entrevistados da pesquisa tenham sido positivos sobre a eficácia da atividade, não é mesmo?

No entanto, será que todas as empresas encontram os influenciadores certos e se adaptam ao marketing de influência?

O caminho para se conectar com os influenciadores

Encontrar o influenciador certo para o seu tipo de negócio parece tarefa fácil, mas não é. Analisar e pesquisar as melhores opções nas redes digitais é o primeiro passo.

Se ele já for um grande fã do produto, melhor ainda. Mas o que deve ser observado são as taxas de alcance e engajamento do influenciador.

Sem dúvida, um influenciador que tem um bom relacionamento com seus seguidores e que divulga sua marca com conteúdo de qualidade é o perfil ideal.

Uma pesquisa da Federação Mundial de Anunciantes (WFA), em 2018, indica que a qualidade dos seguidores está no topo da lista de seleção das marcas ao decidir com que influenciador trabalhar. Para 96% dos entrevistados a relação com o público é vista como “absolutamente essencial” ou “muito importante”.

Essas conclusões foram baseadas em uma pesquisa realizada com 34 empresas e as preocupações com a falta de transparência por parte dos influenciadores eram evidentes. 71% dos entrevistados declararam que a forma como o relacionamento com a marca é divulgado também é “absolutamente essencial” ou “muito importante” para as empresas.

Quando o influenciador tem credibilidade em um determinado segmento, fica mais fácil ainda ele se conectar com a marca verdadeiramente. Além disso, é importante fidelizar o influenciador e inserir a marca no seu lifestyle.  

Mas afinal, quais são os setores do mercado que mais utilizam o marketing de influência?

Os melhores segmentos para utilizar influenciadores digitais

Qualquer tema ou assunto tem espaço para campanhas com marketing de influência. Com a popularidade das redes sociais, blogs e canais do YouTube, as pessoas estão abertas a dicas e conselhos diariamente.

No ano de 2017, os segmentos de “moda e beleza”, “cuidados com a saúde” e “viagens e turismo” tinham muita afinidade em utilizar influenciadores digitais em campanhas de marketing. Isso se deve a facilidade com que os influenciadores passaram a falar sobre esse assunto em seus blogs e pelo Instagram.

Grayson Schaffer, um autor colaborador da Outside Magazine, descreveu a popularidade dos influenciadores no Instagram para viagens como “uma cultura que está mudando a forma como as pessoas viajam e planejam suas viagens”.

Quando os seguidores veem outras pessoas com ideias e planos de viagem semelhantes, mostrando sua experiência, o efeito dos influenciadores se torna ainda mais poderoso.

No entanto, em 2018, os temas ampliaram ainda mais e o segmento de Moda continuou em destaque e é o que mais utiliza os influenciadores digitais.

Em novembro do ano passado, o site Influencer DB examinou as postagens do Instagram publicadas no período de janeiro de 2013 a julho de 2018 e que foram rotuladas como parcerias pagas pelo uso de 68 patrocínios por meio das hashtags #ad e #publi, em 15 idiomas diferentes.

A pesquisa constatou, ao observar as postagens patrocinadas, que o segmento de moda claramente assume o trono do Instagram. Com 25% de todas as postagens em torno desse assunto, as marcas de moda fazem parte da indústria mais ativa nessa rede social quando se trata de investir em marketing de influência.

Na sequência temos o segmento de comida (12%), entretenimento (11%), bebês e crianças (10%), humor (10%), beleza (7%), arte (5%) e viagens (5%). Já o setor de tecnologia investe menos em posts patrocinados, com apenas 1% das publicações.

É claro que o estudo se aplica a postagens patrocinadas, ou seja, não abrange os influenciadores que fazem publicações orgânicas e mais espontâneas. Mas ainda assim, é uma ferramenta importante para medir a eficácia do uso dessa estratégia em alguns setores.

Porém, analisando outra pesquisa realizada no Reino Unido, no primeiro semestre de 2018, o resultado não é muito diferente. O CampaignDeus realizou uma entrevista com 4500 influenciadores, estudando 700 mil postagens individuais em suas contas no Instagram.

O estudo mostra que 34% dos posts desses influenciadores são para marcas de moda e estilo, seguido de 23% para marcas de beleza e 16% para alimentos e bebidas.

O que percebemos pelas duas pesquisas é que o setor de moda continua a liderar os rankings. Isso também se deve ao fato de que a indústria da moda foi pioneira no marketing de influência.

O público, hoje, não se baseia mais em opiniões de revistas especializadas, e sim, em conselhos de quem usa e confia na marca, por isso os influenciadores assumem um papel importante.

A influenciadora Pari Ehsan, com 194 mil seguidores no Instagram, tem um relacionamento de longo prazo com a Chanel, mesclando arte e moda. Ela explica que quando a coleção da Chanel Couture chega à Nova York, durante a semana de moda para a pré-estreia, foi estabelecido um acordo com a marca.

“Eles me permitem conceber uma filmagem criativa em torno das peças de alta costura daquela temporada. A relação surgiu trabalhando com eles uma vez, mostrando o meu nível de criação e, desde então, tem sido uma coisa constante que fazemos juntos.”, explica Pari.

Enquanto isso no Brasil…

O Brasil se adaptou muito bem a ideia do marketing de influência. Dos 100 youtubers mais influentes do mundo, 24 são brasileiros.

A multiplataforma de canais Rede Snack, divulgou, em levantamento recente, que existem cerca de 6 milhões de influenciadores digitais no mundo. No Brasil, são mais de 315 mil compartilhando conteúdo sobre os mais diversos assuntos.

Dessa forma, o Brasil segue os passos dos influenciadores digitais pelo mundo e conquista cada vez mais espaço em todos os segmentos possíveis.

Acompanhando as tendências mundiais, os assuntos relacionados à moda também ganham força por aqui. Além é claro, dos temas de gastronomia, comida e beleza que estão em alta no Instagram brasileiro desde o início da ferramenta.

De qualquer forma, independente do segmento da sua marca, não deixe de investir em marketing de influência. Os números do início da matéria comprovam que a rentabilidade dessa estratégia é valiosa.