Saiba como a indústria da moda foi pioneira no marketing de influência

As revistas de moda ditavam o que era tendência no mercado, mas agora esse poder está nas mãos dos influenciadores digitais

A indústria da moda sempre influenciou gerações. Mas, a forma como essa influência é feita vem mudando com o passar dos anos e com o avanço das redes sociais. Nesse texto, vamos entender como a indústria da moda foi pioneira no uso do marketing de influência.

Segundo um estudo realizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) em 2018, a estimativa é de crescimento acumulado de 13% no mercado de moda no Brasil, até 2021. Com uma média de 3,1% de aumento ao ano, pode levar a um recorde de produção, de 6,68 bilhões de peças.

Esses dados mostram que a indústria da moda está aquecida e que movimenta não só a economia, como o interesse do público pelo assunto.

Antigamente, a moda era apresentada por meio de revistas famosas e desfiles grandiosos. As grandes empresas de comunicação controlavam o que era publicado e influenciavam o público. As novas tendências eram determinadas por estilistas, designers e editores de revistas.

Mas a partir dos anos 2000, isso mudou. Os amantes da moda não confiam mais na última edição da Vogue para dizer o que é interessante para vestir nessa estação. As pessoas querem opiniões verdadeiras de quem gosta e usa a marca.

E foi assim que surgiram os primeiros blogs de moda.

Como tudo começou…

No início, os blogs de moda pareciam ser amadores. Pessoas comuns que se interessavam pelo assunto criaram os blogs como um hobby para compartilhar suas ideias sobre as últimas tendências ou ainda para conseguir um emprego na indústria tradicional posteriormente.

Com o aumento do alcance entre o público, os blogueiros aprenderam a monetizar seus conteúdos. Ou seja, os blogs deixaram de ser só diários com impressões pessoais sobre roupas e acessórios, e passaram a ter credibilidade no mercado. O público comprou as opiniões desses novos “experts”.

Com o surgimento de plataformas digitais que abusam de fotos, cores e vídeos, como o Instagram e o Youtube, os blogueiros migraram para essas redes sociais e alcançaram ainda mais pessoas.

Esses novos fashionistas se tornaram os próprios editores de revistas, compartilhando seu estilo pessoal e suas opiniões com milhões de usuários. A moda se tornou mais leve e interativa do que nunca.

Em pesquisa realizada em janeiro desse ano, o site Influencer DB informou que a indústria da moda ocupa 25% de todas as postagens patrocinadas no Instagram e, por isso, é a ferramenta mais popular entre os influenciadores digitais de moda, deixando o setor de tecnologia para trás.]


A brasileira Camila Coutinho, por exemplo, começou com o blog Garotas Estúpidas que falava sobre moda e tendências. Com o crescimento da sua página, ela passou a ser reconhecida como símbolo da mulher jovem, moderna e bem vestida.

Há 10 anos, Camila se tornou influenciadora digital e é referência no mundo da moda e dos influenciadores de sucesso, fazendo até parcerias internacionais.


Existem ainda influenciadoras no mundo da moda que começaram com as redes sociais mais recentes e pularam a etapa do blog. Um exemplo mundialmente conhecido é a Jenn Im, que se tornou influenciadora de moda devido ao sucesso do seu canal no Youtube.

Outra famosa influenciadora é a alemã Pamela Reif, que tem mais de 4 milhões de seguidores no Instagram e faz parcerias com marcas renomadas, como a Puma.


A forma como as marcas de moda se conectam com seu público mudou. Para que as marcas se estabeleçam no mercado atual é fundamental estar sempre em evidência, despertando o desejo da compra de seus produtos.

Marketing de influência na moda

As marcas perceberam que personalidades que utilizam vestidos, blusas, sapatos ou acessórios e revelam seus looks ou opiniões em suas redes sociais, atraem o olhar do público.

O público, hoje, busca opiniões sinceras sobre o que vestir e o que comprar e assim, os influenciadores digitais assumem um importante papel.

As autoras Andressa Karen Rossi e Patrícia Helena Campestrini Harger deixam claro em seu artigo acadêmico, Influenciadoras digitais: o marketing de moda em tempos atuais, da Universidade Federal da Paraíba, que “uma das principais ferramentas que possibilitam o consumidor acompanharem tendências é através das redes sociais, principalmente blogs de moda femininos, ou Instagram por meio de mulheres consideradas influenciadoras digitais”.

É muito comum que as marcas enviem peças de sua coleção para mulheres que são consideradas ícones de moda e que já possuem grande alcance. Muitas vezes essas roupas não chegaram às lojas do shopping ainda, mas servem para estimular o desejo de usar determinada peça.

Os influenciadores digitais agradam o público, justamente porque criam uma imagem diferente do que a de modelo perfeita. Elas incentivam o perfil de uma pessoa autêntica que servirá de inspiração para outras pessoas.

Com sua personalidade verdadeira, as influenciadoras digitais criam um estilo legítimo e lançam tendências no universo da moda.

Como o influenciador pode agregar valor para a sua marca de moda

Listamos aqui 3 dicas simples e relevantes para que a sua marca consiga se conectar com os influenciadores certos e atrair novos consumidores. Gerar consciência para a marca é um passo importante para o aumento em vendas dos produtos.


1. Ofereça presentes ao influenciador

Presentear o influenciador com produtos da sua marca é uma estratégia simples, mas que se bem executada tem retorno garantido.

A pesquisa The State of Influencer Marketing in Fashion, Luxury & Cosmetics 2018, realizada pela Launchmetrics, mostra que fornecer brindes e presentes para os influenciadores é a tática mais utilizada para 98% das marcas de moda, luxo e cosméticos.

Quando o influenciador ganha uma peça de roupa nova e divulga em suas redes sociais, o público passa a se envolver com o conteúdo.  A conexão estabelecida é de que aquela pessoa usa e gosta daquele produto.

Seja o famoso “recebido” que as blogueiras gostam de mostrar ou ainda uma postagem mais informal e sutil, o que vale mesmo é que o seu acessório ou vestido novo vai ser notado por todos os seguidores daquela influenciadora.


2. Inclua os influenciadores em eventos da marca

Chame os influenciadores, principalmente os famosos, para participar das feiras, desfiles e eventos de moda.

O ideal é que o influenciador possa até usar um modelo da marca no dia do evento, valorizando ainda mais o gosto pelo produto. É imediato: o influenciador vai postar tudo sobre a festa ou desfile, desde as novidades até o estilo dos convidados.

O alcance dessa colaboração se estende ao público assim como eram as coberturas dos eventos que a mídia fazia antigamente, mas de modo bem mais interativo.

Ao escolher um influenciador ou celebridade para um evento, certifique-se de que o estilo pessoal e estético deles combine com o produto da sua marca. É importante que os influenciadores digitais se conectem verdadeiramente com as roupas e acessórios.

3. Chame o influenciador para ser o embaixador da sua marca!

Envolver os influenciadores para ser um embaixador da marca aumenta a autenticidade e ajuda a criar referências com o público.

Ao longo do tempo, o vínculo genuíno criado entre a marca e os influenciadores, faz com que o público reconheça uma conexão entre eles e enxergue como algo único.

Para uma parceria de longo prazo, pode ser estabelecido um acordo contratual e ainda incluir itens quanto à exclusividade e atividades promocionais.

Pensando em grandes marcas, por exemplo, a Dior contratou recentemente Jennifer Lawrence para ser uma das embaixadoras da marca. Entre as vantagens de ser uma embaixadora da Dior, está um vestido personalizado e uma seleção exclusiva de todos os vestidos.

Com essas ideias é mais fácil obter sucesso com os influenciadores na sua marca de moda. Porém, é sempre importante escolher o profissional que tenha a cara do seu produto e que possa agregar mais valor a ele.